» Imprensa » Notícias 2010 » AUTOR DE AÇÃO CONTRA PERITA DO INSS DEVERÁ PAGAR INDEZINAÇÃO POR DANOS MORAIS

AUTOR DE AÇÃO CONTRA PERITA DO INSS DEVERÁ PAGAR INDEZINAÇÃO POR DANOS MORAIS


São Paulo, 12 de março de 2010

O juiz federal José Denílson Branco, da 1ª Vara Federal de Sorocaba, determinou que o segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) Rangel Alves Santos pague a quantia de R$4 mil por danos morais causados à médica perita do INSS Fátima Cristina Minari.

Tudo começou quando Rangel Alves Santos propôs ação ordinária em face da perita visando à obtenção de indenização de danos materiais no valor de R$ 3 mil e indenização de danos morais no montante de cem salários mínimos. Rangel alegou que compareceu ao INSS para realização de exame pericial e foi atendido pela ré Fátima. De acordo com o autor, a perita desconsiderou seu quadro clínico, deixando de examiná-lo de forma mais precisa, e teria o tratado de forma grosseira, “visto que o médico perito do INSS pode discordar do laudo do médico de confiança do autor, mas não pode alegar que o autor não tem problema algum e que a médica ré vem tratando outros segurados de mesma forma humilhante”.

O INSS requereu sua inclusão na ação como assistente da médica perita ré, pois trata-se de indenização derivada do exercício das funções da mesma. Entre outras alegações, o INSS declarou que o autor não fez menção a fatos específicos que pudessem ocasionar uma conduta dolosa ou culposa da ré; que a narrativa dos fatos não condiz com a verdade, já que o autor se submeteu a diversas perícias médicas junto ao INSS e em todas elas foi atendido com urbanidade e teve analisados os documentos apresentados.

Na mesma data, a ré Fátima Cristina Minari e o INSS apresentaram o pedido de reconvenção (que é uma ação inversa, incidente à ação principal, que o réu pode mover contra o autor, no mesmo prazo da contestação da primeira ação; é um pedido do réu contra o autor). Alegaram que o INSS, ao rever os fatos colocados pelo autor, verificou que tramitam diversas ações com idêntico teor e idênticas palavras propostas na comarca de Sorocaba, “sendo que a intenção do autor e de outros segurados é intimidar e coagir médicos peritos do INSS e que no caso presente está configurado o abuso processual, já que o autor está extrapolando os limites do direito de acesso ao Poder Judiciário, utilizando-se do processo como instrumento de coação para que os peritos se sintam intimidados quando defrontarem o autor ou clientes dos advogados que postulam em seu nome[...]”.

Para o juiz José Denílson Branco, estão presentes os pressupostos processuais de validade e existência da relação processual. “O fato da servidora ser processada ao indeferir um benefício previdenciário pode gerar temor e apreensão nos peritos do INSS, ocasionando critérios mais flexíveis na concessão dos benefícios, com o consequente aumento no número dos benefícios concedidos, fato este que gera reflexos econômicos em detrimento do INSS”.
De acordo com a decisão, “[...] estamos diante de uma ação por danos morais e materiais derivados de um suposto mau atendimento por médico perito do INSS em relação ao autor, sendo que a reconvenção deriva justamente do fato de que tal mau atendimento não teria ocorrido, mas sim que o ajuizamento de demandas de tal naipe configura-se como medida intimidatória e acarreta ao perito e a autarquia a ocorrência de danos morais, por abuso do direito de demandar”.

Rangel Alves Santos foi intimado a especificar as provas que pretendia produzir, mas não o fez. “Portanto, não há que se falar no pagamento de danos materiais ao autor neste caso”, disse o juiz. O INSS juntou aos autos os laudos médicos periciais, onde diversos médicos afirmam que não há incapacidade laborativa para a atividade alegada. “Não existe ofensa no fato de que o indeferimento do benefício do autor decorreu de entendimento administrativo da autarquia e do perito médico, não configurando dano moral”.

Devido aos diversos ajuizamentos em face de vários peritos por mais de uma vez, para o juiz, “[...] é possível concluir que a perita se sentiu intimidada com o fato de ter de responder por duas demandas visando à obtenção de valores altos em razão do exercício de seu cargo; sendo ainda certo que o ajuizamento de várias demandas em face de outros peritos médicos contribuiu para gerar um clima de insegurança e constrangimento a todo os profissionais que laboram como peritos médicos do INSS em Sorocaba.”

José Denílson Branco julgou totalmente improcedente a pretensão do autor contra ré Fátima Cristina Minaril. Sobre a reconvenção ofertada pela perita e pelo INSS em face do autor Rangel Alves Santos, o juiz julgou parcialmente procedente, condenando Rangel ao pagamento da quantia de R$4 mil referentes aos danos morais causados aos reconvintes (rateado em partes iguais entre ambos). (VPA)

Ação Ordinária nº 2009.61.10.014434-6

 
 
JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU EM SÃO PAULO
site desenvolvido por NUCS-JFSP com apoio técnico da Secretaria de Informática TRF 3ª Região
observação: alguns links de conteúdo e sistemas deste endereço estão vinculados ao site do TRF 3ª Região
 
Página Principal Jf Mato Grosso do Sul Página Principal TRF3r busca Página Principal Telefones e Endereços Fale Conosco