Publicado em: 20/02/2019 23h10 – Atualizado em: 07/05/2019 15h54

21/02/2019 - Oficina debate oportunidades de inovação na JFSP

No dia 19/2 foi concluído o segundo módulo da “Capacitação Executiva para Inovação Aplicada”, realizado no Laboratório de Inovação da Justiça Federal de São Paulo (iJuspLab). O projeto, que teve início no segundo semestre de 2018, é formado por quatro módulos que visam propor soluções inovadoras para os desafios institucionais identificados no Mapeamento de Oportunidades de Inovação (MOI), realizado no ano passado. O evento contou com a presença da presidente do TRF3, desembargadora federal Therezinha Cazerta, juízes, servidores e laboratoristas do iJuspLab.

“É essencial discutir essas questões e trocar ideias buscando soluções por meio da inovação. Isso representa um salto de qualidade e dá um passo importante para o futuro. É algo que vai colaborar muito com a eficiência do Judiciário, com a facilitação do nosso trabalho e com a maior satisfação do usuário”, afirmou a presidente do TRF3.

No primeiro módulo do projeto, o mapeamento utilizou ferramentas de coleta de dados, entrevistas e pesquisas para selecionar problemas enviados por servidores e magistrados da Seção Judiciária de São Paulo. Nesta etapa, quatro desafios foram escolhidos para serem trabalhados no iJuspLab, com a participação do time de inovação da JFSP, de voluntários e da empresa iLabs Services: 

Desafio 1 - Atendimento/Acolhimento ao cidadão - inexistência de canais de atendimento, esclarecimento e triagem com linguagem e acesso facilitados;

Desafio 2 - Movimentação de servidores- ausência de uma política bem definida de relotação para os servidores e meios para viabilizá-la;

Desafio 3 - Redes de colaboração - falta de integração entre área-fim (varas) e área-meio (administração), entre áreas administrativas e com outros órgãos;

Desafio 4 - Incremento da participação das mulheres na carreira da magistratura - mapear os fatores que influenciam na reduzida presença feminina na magistratura federal.

No segundo módulo, os participantes foram divididos em quatro grupos e, durante 12 encontros, utilizaram a metodologia do design thinking a fim de encontrar soluções para os problemas identificados. No final, cada equipe apresentou um protótipo e estruturou um plano executivo de implementação.

“Esse trabalho teve uma dinâmica muito boa porque envolveu não só os facilitadores aqui do Laboratório, mas também as pessoas afetadas pelo problema. O grande diferencial é que tudo isso é o começo e não o fim. O trabalho que está sendo feito aqui será implantado, ele vai para o teste em ambiente real. São quatro projetos de grande impacto tanto interno, quanto para a sociedade”, ressaltou o professor Álvaro Gregório, da empresa iLabs Services.

O juiz federal Paulo Cezar Neves Junior, coordenador do iJuspLab, destacou o papel do time de inovação da JFSP em divulgar essa nova cultura no Judiciário. “Este evento é mais um marco na história do Laboratório, pois vimos que o nosso time de inovação alcançou realmente um nível de maturidade excelente. Eles estão aptos a dar continuidade aos trabalhos de maneira autônoma e eficiente. Temos agora uma equipe de referência que pode fazer com que a inovação se desenvolva na Justiça Federal de forma sólida”.

Os participantes dos grupos também falaram sobre como foi a experiência. “Eu já havia participado de alguns congressos de inovação, mas essa foi a primeira vez que fiz algo prático. Foi muito bom desenvolver as ideias e estar junto com outros colegas. O design thinking faz muito sentido quando estamos discutindo o problema e buscando soluções”, pontuou a servidora Ana Paula de Oliveira.

“Foi uma experiência fantástica. É difícil acreditar que algo tão moderno e inovador esteja acontecendo em um ambiente rígido como é o Poder Judiciário. Isso trouxe uma sensação de otimismo em relação aos avanços que podemos ter com o engajamento das pessoas que estão querendo mudar”, destacou Gisele Fessore, laboratorista do iJuspLab.

A juíza federal e diretora do Foro, Luciana Ortiz, que estava em compromisso no interior do estado, enviou uma mensagem de vídeo a todos os presentes. “É um dia de muita alegria. Não pude estar com vocês hoje, mas deixo aqui a minha profunda admiração a todos os que participaram desse grande projeto e que estão se envolvendo com essa nova forma de fazer o serviço público, a partir da doação integral e compartilhada de boas ideias. Com certeza vocês estão construindo uma Justiça Federal mais unida, mais engajada e com os melhores serviços para a população. Parabéns a todos!”

Os próximos dois módulos do projeto, a serem realizados ainda este ano, têm como tema a "Inovação Aberta e Colaborativa", que será um treinamento para lançar desafios ao ambiente externo (startups, universidades, Lawtechs, etc) e a "Capacitação para Implementação de Soluções", que é a mentoria da fase de implementação dos projetos. (JSM)

 Fotos: NUCS